Olhe para esta figura por alguns instantes e decida: para que lado a bailarina gira?

Agora, feche os olhos por alguns instantes, abra-os e tente enxergar a bailarina girando no sentido oposto. Consegue? Se não conseguir, vá dar uma volta, leia outras coisas, depois volte aqui no site e veja a bailarina de novo. Constatar que ela pode subitamente girar para o lado oposto é uma surpresa e tanto!

A surpresa, claro, é oferecida pelo seu cérebro: esta imagem é uma série de 34 quadros que não mudam de ordem (eu chequei, mas, se você quiser se convencer, bastar salvar esta imagem e abri-la em um editor que a mostre quadro-a-quadro), repetidos em loop.

O cérebro enxerga movimento onde não há a partir da interpolação entre imagens sucessivas. Assim funcionam o cinema, os desenhos animados e aqueles filminhos que aprendemos a desenhar quando crianças na margem dos cadernos. E assim as 34 imagens da dançarina são interpretadas como cenas sucessivas de uma moça que gira sobre uma perna só.

Mas qual perna? Aqui está o truque: as imagens no filminho acima são ambíguas. Metade delas tanto pode representar a bailarina vista de frente quanto de costas; na outra metade das imagens, onde ela aparece de lado, a perna levantada pode ser tanto a esquerda quanto a direita (tente se convencer disso com a imagem estática ao lado).

O cérebro, no entanto, não se entende com ambiguidades, e tenta sempre encaixar suas representações do mundo em uma explicação única, coerente: se há movimento, ou bem a bailarina gira para a direita, ou para a esquerda. Em momentos diferentes, você pode enxergar ora a um movimento no sentido horário, ora no anti-horário – mas, a cada momento, o movimento só pode ser um.

O que nos faz enxergar a Bailarina Ambígua girando, digamos, para a esquerda, e não para a direita? Acaso, talvez, ou algum processo já em andamento no cérebro naquele instante que torna a interpretação tendenciosa para um lado ou outro.

Mas a informação, e com ela nossas expectativas, faz uma diferença. Por exemplo, quando o cérebro percebe a Bailarina Ambígua girando para a direita, no sentido horário, ele percebe a perna direita levantada; quando percebe a Bailarina girandopara a esquerda, no sentido anti-horário, ele enxerga a perna esquerda levantada. Você pode usar esse conhecimento para tentar mudar suas expectativas e convencer seu cérebro (ou seja, convencer a si mesmo!) a interpretar a mesma bailarina de duas maneiras diferentes.

Esta imagem aparece em uma matéria da Australian Associated Press como parte de um suposto “teste de lateralidade cerebral”. Segundo eles, quem vê a bailarina girar no sentido horário “usa mais o lado direito do cérebro”; quem vê a bailarina girar no sentido anti-horário “usa mais o lado esquerdo do cérebro”.

A parte da lateralidade é, até onde eu sei, besteira – como a maior parte das declarações da pseudo-psicologia popular que banaliza (incorretamente) a lateralização cerebral (que existe!) como sendo o lado direito do cérebro emocional e o lado esquerdo, racional. Mas isso é outra estória…

Fonte: CerebroNosso

PS: Se tu estás vendo a bailarina parada… Preocupe-se!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp