Mulher morre vendo TV e só é encontrada 42 anos depois

time-thumb

Hedviga Golik, morava em Zagreb, na Croácia. Certo dia, preparou seu chazinho habitual e sentou para assistir televisão. Infelizmente, ela morreu em sua cadeira. Mas o detalhe é que isso aconteceu em 1966 e ela só foi encontrada 42 anos depois, no seu mausoléu onde ela estava sentada desde então. Coitada, ela nunca terminou seu chá.

Um outro detalhe que chama a atenção é que Hedviga estava em uma lista de desaparecidos, mas ninguém nunca se deu ao trabalho de procurar no apartamento dela. Será que realmente a procuraram em algum lugar? Afinal, que lugar mais apropriado para se procurar uma pessoa senão em sua própria casa?!

Um porta-voz da polícia disse: “Quando os agentes passaram lá, eles disseram que era como se estivessem entrando em lugar congelado no tempo. A taça que ela tinha colocado o chá ainda estava em uma mesa ao lado da cadeira onde ela estava e a casa estava cheia de coisas que ninguém via há décadas. Nada tinha sido perturbado por décadas.”

Os vizinhos ficaram chocados com a descoberta. Jadranka Markic, uma de suas vizinhas, tinha 9 anos quando Hedviga “desapareceu”. Ela disse: “Ainda me lembro dela. Ela era uma mulher calma, reservada e educada. Nós pensavamos que ela tinha ido viver com familiares.”

Concordo que essa notícia é absurda e é provavel que muita gente não acredite, se esse for o seu caso leia a continuação do post. 😉

A matéria “Mulher morre vendo TV e só é encontrada 42 anos depois” postada neste site causou desconfiança em muita gente, algo óbvio pois qualquer um ao ler não consegue acreditar em tamanho absurdo. Então vamos rever nossas fontes para ver se a notícia fica menos absurda.
Esta mesma notícia também foi publicada no site da CNN européia em 16/05/2008. No entanto a matéria da CNN mostra alguns detalhes a mais.
Deitada ou sentada

Residents of her loft building in downtown Zagreb had broken into Golik’s flat after deciding that the apartment should belong to them, and not to her. Startled by the remains in bed, they called police.

Moradores de seu edifício arrombaram o apartamento dela depois de decidirem que o apartamento deveria pertencer a eles, e não a ela. Então se depararam com o corpo dela na cama, eles chamado polícia. Segundo a CNN então ela morreu deitada e não sentada.

Data da morte

Forensics experts said Golik likely died in 1973, about the time a neighbor last saw her. Expert Davor Strinovic said she seemed to have died of natural causes, but “it’s almost impossible to say for certain” after so much time.

Peritos disseram ela provavelmente morreu em 1973, foi quando um vizinho viu ela pela última vez. Ela aparentemente morreu de causas naturais, mas que é difícil dizer ao certo depois de tanto tempo. Segundo a CNN então ela estava morta a 35 anos e não 42 anos como havia sido noticiado no site Daily Record. Isso torna a notícia menos bizarra?

Alguém esteve ali?

Experts said her windows had been open, likely diminishing the smell. It remained unclear who — if anyone — was paying her bills and who exactly owned the apartment. In the 1970s, when Golik died, apartments were state-owned.

Especialistas disseram que as janelas tinham sido abertas, provavelmente para diminuir o cheiro. Mas não se sabe quem — se tiver sido alguém — esteve pagando suas contas ou a quem exatamente pertencia o apartamento. Na década de 1970, quando ela morreu, os apartamentos se tornaram propriedade do Estado.

O site Javno contém mais detalhes da história:

Polícia não quis entrar em seu apartamento em 1991

O inquilino Mirko Horvatic enviou um memorando para a polícia, em 1991, que foi assinado pelos inquilinos do prédio, solicitando que analisassem o apartamento, sobretudo devido pensando na saúde da co-inquilina e na manutenção do apartamento.
– Eu honestamente não sei porque é que ninguém tem arrombou seu apartamento. Pedimos isso muitas vezes, mas ninguém nos ouviu – disse Horvatic explicando que ninguém queria arrombar o apartamento por ser propriedade de outra pessoa.

Última vez ela foi vista com dois homens a partir de uma seita religiosa?

– She was talking with two men then, who were likely to be members of a religious sect, just like she was. Afterwards, she simply vanished and I was convinced she left with these men

A vizinha dela, Katica Caric que morava no andar de baixo, foi a última pessoa a ter visto ela viva, muito tempo atrás, em 1967.
– Ela estava falando com dois homens que eram membros de uma seita religiosa, assim como ela. Depois disso ela simplesmente desapareceu, e eu estava convencida de que ela havia ido com estes homens – disse a vizinha.

Vizinhos: Ela nunca falou com ninguém, ela tinha problemas psíquicos
A senhora Caric era quem a conhecia melhor, ela descreveu Hedviga como uma pessoa introvertida que nunca se socializava com ninguém e, provavelmente, sofria de algum transtorno psíquico. Outros vizinhos tinham a mesma opinião, e alguns alegaram que ela sofria de esquizofrenia.

Misteriosa escrita na porta
O que é mais misterioso, é que em 1998 uma misteriosa notificação foi escrita na porta do apartamento, supostamente escrita pela prefeitura da cidade, alertando que aquele apartamento pertencia à senhora Hedviga Golik e que qualquer entrada no apartamento dela seria ilegal. No entanto ao entrevistarem as autoridades locais elas disseram que aquela nota não era oficial e não havia sido escrita pela prefeitura da cidade de Zagreb.

E então? Agora a história parece menos ou mais absurda? Apesar de tão absurda a notícia é verídica sim – apesar dos dados controversos entre as fontes – e inclusive vem gerando muita discussão, como é possível que uma mulher tenha morrido há tanto tempo sem ninguém notar?

The discovery of Golik’s body on Tuesday prompted media debates on how it is possible for a woman to die so long ago without anyone noticing. One local journalist said it showed people were becoming more alienated.

 

 

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email