Ditados Gaúchos

chimarrao_web

Mais ligado que rádio de preso.
Mais curto que estribo de anão.
Mais nojento que mocotó de ontem.
Firme que nem prego em polenta.
Mais curto que coice de porco.
Solto que nem peido em bombacha.
Mais pesado que sono de surdo.
Mais amontoado que uva em cacho.
Saracoteando mais que bolacha em boca de véia.
Calmo que nem água de poço.
Mais perdido que cego em tiroteio.
Mais faceiro que guri de bombacha nova.
Mais assustado que véia em canoa.
Mais por fora que quarto de empregada.
Mais angustiado que barata de ponta-cabeça.
Mais por fora que surdo em bingo.
Feliz que nem lambari de sanga.
Mais ansioso que anão em comício.
Mais apertado que bombacha de fresco.
Mais sofrido que joelho de freira em Semana Santa.
Mais atirado que alpargata em cancha de bocha.
Mais baixo que vôo de marreca choca.
Mais bonita que laranja de amostra.
Mais medroso que cascudo atravessando galinheiro.
De boca aberta que nem burro que comeu urtiga.
Mais chato que gilete caída em chão de banheiro.
Mais constrangido que padre em puteiro.
Mais conhecido que parteira de campanha.
Mais comprido que cuspe de bêbado.
Mais cheio que corvo em carniça de vaca atolada.
Mais duro que salame de colônia.
Mais difícil que nadar de poncho.
Devagarzito como enterro de viúva rica.
Mais encolhido que tripa na brasa.
Mais coxuda que leitoa em engorde.
Extraviado que nem chinelo de bêbado.
Mais feio que briga de foice no escuro.
Mais faceiro que ganso novo em taipa de açude.
Mais feliz que puta em dia de pagamento de quartel.
Mais faceiro que pica-pau em tronqueira.
Mais feio que sapato de padre.
Mais firme que palanque em banhado.
Mais grosso que rolha de poço.
Mais chato que chinelo de gordo.
Mais faceiro que mosca em tampa de xarope.
Mais por fora que cotovelo de caminhoneiro.
Mais gasto que fundilho de tropeiro.
Mais grosso que dedo destroncado.
Mais feio que indigestão de torresmo.
Mais gostoso que beijo de prima.
Mais grosso que parafuso de patrola.
Mais informado que gerente de funerária.
Mais nervoso que potro com mosca no ouvido.
Quente que nem frigideira sem cabo.
Mais perdido que cebola em salada de frutas.
Mais apressado que cavalo de carteiro.
Mais sério que defunto.
Mais sujo que pau de galinheiro.
Tranqüilo que nem água de poço.
Mais gorduroso que telefone de açougueiro.
Tranqüilo que nem cozinheiro de hospício.

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email